Enem

Os assuntos de Português que mais caem no Enem

Redação   |    |  14 min de leitura
Saiba mais
Saiba mais

 Tag: Enem

Português é uma das matérias clássicas do ensino médio e, obviamente, não fica de fora do Enem. Os conteúdos de língua portuguesa fazem parte da prova de Linguagens, Códigos e suas Tecnologias. 

As questões de Português do Enem costumam assustar a grande maioria dos estudantes. Afinal, elas possuem enunciados extensos e que exigem muita atenção e capacidade de interpretação. 

Tudo isso com o relógio correndo e com outras duas provas – Ciências Humanas e Redação — para fazer no mesmo dia. Realmente desafiador, não é mesmo?

Contudo, não há motivo para se desesperar: com estudos e dedicação é possível vencer as questões de Português e se sair muito bem na parte de Linguagens. 

Quer descobrir como? Neste artigo, apresentamos os assuntos de Português que mais caem no Enem e como se preparar para as questões relacionadas. Continue conosco e boa leitura!

Confira:
Como é a prova de Português do Enem 
As competências da prova de Linguagens, Códigos e suas Tecnologias
O que mais cai de Português no Enem 
Como estudar Português do zero 
Conclusão 

Descubra os segredos para tirar nota 1000 na redação do ENEM!

Como é a prova de português do Enem 

A disciplina de Língua Portuguesa faz parte da prova de Linguagens, Códigos e suas Tecnologias. 

Essa prova possui 45 questões que abordam os seguintes conhecimentos:

  • Língua Portuguesa
  • Literatura
  • Língua Estrangeira
  • Artes
  • Educação Física
  • Tecnologias da Informação e Comunicação

A prova de Linguagens é aplicada no primeiro – e mais corrido – dia do Enem. Além das questões de Linguagens, os alunos ainda têm que responder outras 45 perguntas de Ciências Humanas e produzir uma redação. Tudo isso em um período de 5h30.

Na prova de Linguagens, as questões de português são as mais numerosas, representando cerca de 60% da prova.

A grande maioria das questões de português são acompanhadas de enunciados longos e complexos, mas também é possível encontrar histórias em quadrinhos, tabelas e anúncios publicitários – a diversidade de formatos é enorme. 

Por ser uma prova com diversos tipos de texto, é essencial que o aluno tenha muita atenção e concentração nessa etapa.  

Além disso, habilidades de interpretação de texto também são indispensáveis para responder corretamente às questões de língua portuguesa. 

As competências da prova de Linguagens, Códigos e suas Tecnologias

As provas do Enem avaliam uma série de competências dos estudantes. Conhecer quais são essas habilidades pode ser uma ótima forma de compreender exatamente o que o Enem espera dos participantes. 

Abaixo, apresentamos as 9 competências da prova de Linguagens, Códigos e suas Tecnologias. Para conferir o documento completo, acesse aqui

Competência de área 1

Aplicar as tecnologias da comunicação e da informação na escola, no trabalho e em outros contextos relevantes para sua vida.

Competência de área 2

Conhecer e usar língua(s) estrangeira(s) moderna(s) como instrumento de acesso a informações e a outras culturas e grupos sociais.

Competência de área 3

Compreender e usar a linguagem corporal como relevante para a própria vida, integradora social e formadora da identidade.

Competência de área 4 

Compreender a arte como saber cultural e estético gerador de significação e integrador da organização do mundo e da própria identidade.

Competência de área 5 

Analisar, interpretar e aplicar recursos expressivos das linguagens, relacionando textos com seus contextos, mediante a natureza, função, organização, estrutura das manifestações, de acordo com as condições de produção e recepção.

Competência de área 6 

Compreender e usar os sistemas simbólicos das diferentes linguagens como meios de organização cognitiva da realidade pela constituição de significados, expressão, comunicação e informação.

Competência de área 7

Confrontar opiniões e pontos de vista sobre as diferentes linguagens e suas manifestações específicas.

Competência de área 8

Compreender e usar a língua portuguesa como língua materna, geradora de significação e integradora da organização do mundo e da própria identidade.

Competência de área 9

Entender os princípios, a natureza, a função e o impacto das tecnologias da comunicação e da informação na sua vida pessoal e social, no desenvolvimento do conhecimento, associando-o aos conhecimentos científicos, às linguagens que lhes dão suporte, às demais tecnologias, aos processos de produção e aos problemas que se propõem solucionar.

O que mais cai de português no Enem 

assuntos de português que mais caem no enem - dois jovens estudando com livros e materiais escolares ao seu redor

Veja abaixo quais são os assuntos de português que mais aparecem no exame:

Leitura e interpretação de texto

Interpretação de texto é, sem dúvida, o tema mais frequente quando se fala em Português. 

Praticamente todas as questões de Linguagens exigem, em algum grau, a capacidade interpretação. Por isso, é essencial trabalhar essa habilidade. 

A melhor forma de fazer isso é lendo muito e fazendo exercícios, assim você acostuma seu olhar e sua mente aos diferentes tipos de textos e aumenta sua capacidade compreensão. 

Exemplo de questão:

(Enem 2017) 

A língua tupi no Brasil

Há 300 anos, morar na vila de São Paulo de Piratininga (peixe seco, em tupi) era quase sinônimo de falar língua de índio. Em cada cinco habitantes da cidade, só dois conheciam o português. Por isso, em 1698, o governador da província, Artur de Sá e Meneses, implorou a Portugal que só mandasse padres que soubessem “a língua geral dos índios”, pois “aquela gente não se explica em outro idioma”.

Derivado do dialeto de São Vicente, o tupi de São Paulo se desenvolveu e se espalhou no século XVII, graças ao isolamento geográfico da cidade e à atividade pouco cristã dos mamelucos paulistas: as bandeiras, expedições ao Sertão em busca de escravos índios. Muitos bandeirantes nem sequer falavam o português ou se expressavam mal. Domingos Jorge Velho, o paulista que destruiu o Quilombo dos Palmares em 1694, foi descrito pelo bispo de Pernambuco como “um bárbaro que nem falar sabe”. Em suas andanças, essa gente batizou lugares como Avanhandava (lugar onde o índio corre), Pindamonhangaba (lugar de fazer anzol) e Itu (cachoeira). E acabou inventando uma nova língua. 

Os escravos dos bandeirantes vinham de mais de 100 tribos diferentes”, conta o historiador e antropólogo John Monteiro, da Universidade Estadual de Campinas. “Isso mudou o tupi paulista, que, além da influência do português, ainda recebia palavras de outros idiomas.” O resultado da mistura ficou conhecido como língua geral do sul, uma espécie de tupi facilitado.

ÂNGELO, C. Disponível em: <http: //super.abril.com.br>. Acesso em: 8 ago. 2012. (Adaptado).

O texto trata de aspectos sócio-históricos da formação linguística nacional. Quanto ao papel do tupinaformação do português brasileiro, depreende-se que essa língua indígena

A - Contribuiu efetivamente para o léxico, com nomes relativos aos traços característicos dos lugares designados.

B - Originou o português falado em São Paulo no século XVII, em cuja base gramatical também está a fala de variadas etnias indígenas.

C - Desenvolveu-se sob influência dos trabalhos de catequese dos padres portugueses, vindos de Lisboa.

D - Misturou-se aos falares africanos, em razão das interações entre portugueses e negros nas investidas contra o Ouilombo dos Palmares.

E - Expandiu-se paralelamente ao português falado pelo colonizador, e juntos originaram a língua dos bandeirantes paulistas.

Gabarito: A

Variação linguística 

A variação linguística é o movimento comum e natural de uma língua. Ela leva em conta principalmente fatores históricos e culturais. 

De modo geral, um idioma varia de acordo com o contexto histórico, geográfico e sociocultural no qual os falantes dessa língua estão inseridos. Certamente, é um conteúdo que merece sua atenção

Exemplo de questão:

(Enem 2011) Motivadas ou não historicamente, normas prestigiadas ou estigmatizadas pela comunidade sobrepõem-se ao longo do território, seja numa relação de oposição, seja de complementaridade, sem, contudo, anular a interseção de usos que configuram uma norma nacional distinta da do português europeu. Ao focalizar essa ao longo do território, seja numa relação de oposição, seja de complementaridade, sem, contudo, anular a

interseção de usos que configuram uma norma nacional distinta da do português europeu. Ao focalizar essa a pensar na bifurcação das variantes continentais, ora em consequência de mudanças ocorridas no Brasil, ora em Portugal, ora, ainda, em ambos os territórios.

CALLOU, D. Gramática, variação e normas. In: VIEIRA, S. R.; BRANDÃO, S. (orgs). Ensino de gramática: descrição e uso. São Paulo: Contexto, 2007 (adaptado).

O português do Brasil não é uma língua uniforme. A variação linguística é um fenômeno natural, ao qual todas as línguas estão sujeitas. Ao considerar as variedades linguísticas, o texto mostra que as normas podem ser aprovadas ou condenadas socialmente, chamando a atenção do leitor para

A - desconsideração da existência das normas populares pelos falantes da norma culta.

B - difusão do português de Portugal em todas as regiões do Brasil só a partir do século XVIII.

C -  existência de usos da língua que caracterizam uma norma nacional do Brasil, distinta da de Portugal.

D -  inexistência de normas cultas locais e populares ou vernáculas em um determinado país.

E - necessidade de se rejeitar a ideia de que os usos frequentes de uma língua devem ser aceitos.

Gabarito: C

Norma culta x Norma popular

O debate norma culta x norma popular também é um dos temas favoritos do Enem. Essa temática costuma ser muito explorada no exame, trazendo até mesmo questões como preconceito linguístico

Exemplo de questão:

(Enem 2014) Só há uma saída para a escola se ela quiser ser mais bem-sucedida: aceitar a mudança da língua como um fato. Isso deve significar que a escola deve aceitar qualquer forma da língua em suas atividades escritas? Não deve mais corrigir? Não!

Há outra dimensão a ser considerada: de fato, no mundo real da escrita, não existe apenas um português correto, que valeria para todas as ocasiões: o estilo dos contratos não é o mesmo do dos manuais de instrução; o dos juízes do Supremo não é o mesmo do dos cordelistas; o dos editoriais dos jornais não é o mesmo do dos cadernos de cultura dos mesmos jornais. Ou do de seus colunistas.

POSSENTI, S. Gramática na cabeça. Língua Portuguesa, ano 5, n. 67, maio 2011 (adaptado).

Sírio Possenti defende a tese de que não existe um único “português correto”. Assim sendo, o domínio da língua portuguesa implica, entre outras coisas, saber

A - Descartar as marcas de informalidade do texto.

B - Reservar o emprego da norma padrão aos textos de circulação ampla.

C - Moldar a norma padrão do português pela linguagem do discurso jornalístico.

D - Adequar as formas da língua a diferentes tipos de texto e contexto.

E - Desprezar as formas da língua previstas

Gabarito: D

Gêneros textuais

A língua portuguesa possui diferentes tipos de gêneros textuais. Conhecer essa diversidade e saber identificá-los, assim como diferenciá-los, é essencial para se sair bem na prova de Português no Enem. 

Exemplo de questão:

(Enem 2018) A trajetória de Liesel Meminger é contada por uma narradora mórbida, surpreendentemente simpática. Ao perceber que a pequena ladra de livros lhe escapa, a Morte afeiçoa-se à menina e rastreia suas pegadas de 1939 a 1943. Traços de uma sobrevivente: a mãe comunista, perseguida pelo nazismo, envia Liesel e o irmão para o subúrbio pobre de uma cidade alemã, onde um casal se dispõe a adotá-los por dinheiro. O garoto morre no trajeto e é enterrado por um coveiro que deixa cair um livro na neve. É o primeiro de uma série que a menina vai surrupiar ao longo dos anos. O único vínculo com a família é esta obra, que ela ainda não sabe ler.

A vida ao redor é a pseudorrealidade criada em torno do culto a Hitler na Segunda Guerra. Ela assiste à eufórica celebração do aniversário do Führer pela vizinhança. A Morte, perplexa diante da violência humana, dá um tom leve e divertido à narrativa deste duro confronto entre a infância perdida e a crueldade do mundo adulto, um sucesso absoluto – e raro – de crítica e público.

Disponível em: www.odevoradordelivros.com. Acesso em: 24 jun. 2014.

Os gêneros textuais podem ser caracterizados, dentre outros fatores, por seus objetivos. Esse fragmento é um(a)

A - reportagem, pois busca convencer o interlocutor da tese defendida ao longo do texto.

B - resumo, pois promove o contato rápido do leitor com uma informação desconhecida.

C - sinopse, pois sintetiza as informações relevantes de uma obra de modo impessoal.

D - instrução, pois ensina algo por meio de explicações sobre uma obra específica.

E - resenha, pois apresenta uma produção intelectual de forma crítica.

Gabarito: E

Intertextualidade

A intertextualidade é a criação de um texto a partir de outro existente. Ou seja, é quando um texto possui elementos semânticos e/ou formais que se referem a outros textos produzidos anteriormente.

Uma paródia, por exemplo, é um texto em que percebemos intertextualidade. Afinal, ela faz referência a produções anteriores. 

A intertextualidade acontece quando há uma referência explícita ou implícita de um texto em outro. 

Exemplo de questão:

(Enem PPL 2016)

TEXTO I

Mama África Mama África (a minha mãe)

É mãe solteira

E tem que fazer

Mamadeira todo dia

Além de trabalhar

Como empacotadeira

Nas Casas Bahia

Mama África tem tanto o que fazer

Além de cuidar neném

Além de fazer denguim

Filhinho tem que entender

Mama África vai e vem

Mas não se afasta de você

Quando Mama sai de casa

Seus filhos se olodunzam

Rola o maior jazz

Mama tem calos nos pés

Mama precisa de paz

Mama não quer brincar mais

Filhinho dá um tempo

É tanto contratempo

No ritmo de vida de Mama

CHICO CÉSAR. Mama África. São Paulo: MZA Music, 1995.

TEXTO II

 

questão Enem

Fonte: IBGE A nova família brasileira. Disponível em: http://veja.abril.com.br. Acesso em: 17 dez. 2012 (adaptado).

A pesquisa, realizada pelo IBGE, evidencia características das famílias brasileiras, também tematizadas pela canção Mama África. Ambos os textos destacam o(a)

A - Preocupação das mulheres com o mercado de trabalho.

B - Responsabilidade das mulheres no sustento das famílias.

C - Comprometimento das mulheres na reconstituição do casamento.

D - Dedicação das mulheres no cuidado com os filhos.

E - Importância das mulheres nas tarefas diárias.

Gabarito: B

Funções de linguagem

Toda linguagem é utilizada para comunicar algo a alguém. Sendo assim, considerando os elementos que constituem a comunicação (emissor, receptor, código, canal, mensagem e contexto), as funções da linguagem dividem-se em:

  • emotiva
  • conativa
  • metalinguística
  • fática
  • poética
  • referencial 

Exemplo de questão:

(Enem 2018) Deficientes visuais já podem ir a algumas salas de cinema e teatros para curtir, em maior intensidade, as atrações em cartaz. Quem ajuda na tarefa é o aplicativo Whatscine, recém-chegado ao Brasil e disponível para os sistemas operacionais iOS (Apple) ou Android (Google). Ao ser conectado à rede wi-fi de cinemas e teatros, o app sincroniza um áudio que descreve o que ocorre na tela ou no palco com o espetáculo em andamento: o usuário, então, pode ouvir a narração em seu celular.

O programa foi desenvolvido por pesquisadores da Universidade Carlos III, em Madri. “Na Espanha, 200 salas de cinema já oferecem o recurso e filmes de grandes estúdios já são exibidos com o recurso do Whatscine!”, diz o brasileiro Luis Mauch, que trouxe a tecnologia para o país. “No Brasil, já fechamos parceria com a São Paulo Companhia de Dança para adaptar os espetáculos deles! Isso já é um avanço. Concorda?”

Disponível em: http://veja.abril.com.br. Acesso em: 25 jun.2014 (adaptado).

Por ser múltipla e apresentar peculiaridades de acordo com a intenção do emissor, a linguagem apresenta funções diferentes. Nesse fragmento, predomina a função referencial da linguagem, porque há a presença de elementos que

A - buscam convencer o leitor, incitando o uso do aplicativo.

B -  definem o aplicativo, revelando o ponto de vista da autora.

C -  evidenciam a subjetividade, explorando a entonação emotiva.

D - expõem dados sobre o aplicativo, usando linguagem denotativa.

E - objetivam manter um diálogo com o leitor, recorrendo a uma indagação.

Gabarito: D

Figuras de linguagem

As figuras de linguagem são utilizadas para dar ênfase à mensagem. Podem relacionar-se com aspectos semânticos, fonológicos ou sintáticos das palavras afetadas. 

A metáfora, que é uma figura de linguagem, é a mais conhecida delas, mas são vários os seus tipos. Confira todos aqui!

Exemplo de questão:

(Enem)

Cidade grande

Que beleza, Montes Claros.

Como cresceu Montes Claros.

Quanta indústria em Montes Claros.

Montes Claros cresceu tanto,

ficou urbe tão notória,

prima-rica do Rio de Janeiro,

que já tem cinco favelas

por enquanto, e mais promete.

(Carlos Drummond de Andrade)

Entre os recursos expressivos empregados no texto, destaca-se a

A - metalinguagem, que consiste em fazer a linguagem referir-se à própria linguagem.

B- intertextualidade, na qual o texto retoma e reelabora outros textos.

C - ironia, que consiste em se dizer o contrário do que se pensa, com intenção crítica.

D - denotação, caracterizada pelo uso das palavras em seu sentido próprio e objetivo.

E - prosopopeia, que consiste em personificar coisas inanimadas, atribuindo-lhes vida.

Gabarito: C

Como estudar português do zero 

Agora que você já sabe os assuntos de Português que mais caem no Enem, pode estar se perguntando: por onde eu começo meus estudos?

O primeiro passo para se sair bem nessa prova é ler muito e praticar bastante interpretação de texto. Afinal, essa é a principal habilidade cobrada nessa parte do exame.

Mas lembre-se: não dá para virar um expert em leitura e interpretação de uma hora para outra. O hábito deve ser cultivado! Estabeleça um ritmo intenso de leitura o quanto antes.

Leia tudo o que puder, desde literatura até artigos jornalísticos. Esse exercício vai aumentar sua capacidade analítica e vai ajudar a reconhecer os diferentes gêneros textuais. 

Outra dica importante é fazer simulados. A prova de Linguagens acontece no dia mais corrido do Enem, então saber administrar o tempo é uma qualidade essencial para vencer essa etapa. 

Além disso, ao refazer questões passadas do Enem, você entende melhor como os conteúdos são cobrados e identifica os seus pontos fortes e fracos em cada área de estudos. 

Tudo isso vai contribuir para que você alcance uma boa nota e esteja mais perto da universidade dos seus sonhos! 

Conclusão 

Gostou desse artigo? Não deixe de conferir outros conteúdos do EAD URCAMP:

Comece sua graduação EAD agora mesmo! Inscreva-se grátis.

Inscreva-se no nosso Blog

Comece sua graduação EAD agora mesmo! Inscreva-se grátis.

O que você achou dessa publicação?

Deixe o seu comentário abaixo.

BUY On HUBSPOT